Site paranaense da Covid-19 registra mais de 3 milhões de visualizações

Idealizado para concentrar todos os dados disponíveis sobre o enfrentamento à doença, portal completa um ano nesta segunda-feira (15). Reúne boletins da Secretaria da Saúde e medidas econômicas e sociais do Governo durante a pandemia, entre outras informações de diversas áreas

O site http://www.coronavirus.pr.gov.br já teve 1,5 milhão de usuários únicos e mais de 3 milhões de visualizações, fortalecendo a transparência do Governo do Estado sobre os dados da pandemia. Ele completa um ano nesta segunda-feira (15) – foi criado em 15 de março do ano passado, três dias após a confirmação dos primeiros casos de Covid-19 no Paraná.

O portal, fruto de uma parceria das secretarias da Comunicação Social e da Cultura e da Saúde com a Celepar e a Controladoria-Geral do Estado (CGE), foi idealizado para concentrar todos os dados disponíveis sobre o enfrentamento à doença. Mais áreas da administração pública agregaram dados ao site com no passar dos meses.

No início foram reunidas informações sobre os mecanismos de proteção (álcool gel, uso de máscaras e distanciamento), hoje fartamente conhecidos, e os boletins publicados diariamente pela Secretaria de Estado da Saúde. Também foram publicadas campanhas institucionais, telefones e meios de facilitar a comunicação direta com a população.

O conteúdo não parou de crescer. O site passou a ser alimentado com controle orçamentário da Secretaria da Fazenda, canal de doações, boletins econômico-sociais e as medidas anunciadas pelo Governo do Estado para apoiar a economia (pacotes de crédito e mudanças tributárias) e o cidadão (Cartão Comida Boa, distribuição da merenda escolar e proibição do corte de luz e água para famílias e baixa renda).

O endereço eletrônico também reúne campanhas de sensibilização que podem ser compartilhadas, leis e decretos emitidos por causa da pandemia, tabelas em dados abertos e outras informações sob responsabilidade do Governo do Estado. Em janeiro deste ano, com o início da imunização, foram disponibilizados dados dos vacinados e aberto um canal de denúncia contra os “fura-filas”.

O site foi o primeiro ato de gestão do secretário estadual da Comunicação Social e da Cultura, João Debiasi, que assumiu o cargo dias antes. “A meta do site é orientar a população, comunicar com precisão e dar credibilidade às informações. Transparência é a palavra-chave para que as pessoas acreditem nas decisões do Governo”, afirmou.

De acordo com o controlador-geral do Estado, Raul Siqueira, a determinação de dispor o maior número de informações possível partiu do governador Carlos Massa Ratinho Junior. “Ao permitir que a população e órgãos de imprensa tenham acesso às informações, reduzimos ansiedade causada pela pandemia. As pessoas têm, por meio do site, a certeza de que o Governo do Paraná está trabalhando para atravessar esse período com responsabilidade e ética”, disse.

O portal paranaense foi visitado por pessoas que moram em outros estados e países. Moradores de Estados Unidos e Portugal, por exemplo, somam 1,2% dos usuários. A página inicial, que apresenta as principais informações sobre a doença, foi a mais visitada, com 41% das visualizações, seguida do Guia de Isolamento Domiciliar (17%). A busca por informações de transparência aparece em sétimo lugar.

Matheus Gruber, coordenador de Transparência e Controle Social da CGE, disse que o portal evoluiu muito desde que foi criado. “Com o andamento do combate à Covid-19 apareceram novas necessidades de informações. Assim, fomos acrescentando funcionalidades e dados ao longo deste ano”, completou Gruber.

RECONHECIMENTO 

A transparência durante a pandemia manteve o Paraná com avaliações máximas nas classificações feitas pelas entidades Transparência Internacional Brasil e Open Knowledge Brasil. Elas avaliaram a disponibilidade de informações sobre o combate ao novo coronavírus de cada estado e no Distrito Federal. Na última pesquisa do segundo instituto, de dezembro do ano passado, o Estado manteve a classificação “alta”.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.