Secretaria de Saúde divulga dados sobre os casos de Covid-19, em Guarapuava

Segundo o setor de Epidemiologia da Vigilância Sanitária, dos 2.105 casos confirmados até ontem, a maioria faz parte do grupo de jovens e adulto

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou um balanço da situação da Covid-19 em Guarapuava considerando as informações coletadas desde o início da Pandemia até o Boletim Epidemiológico desta quinta-feira (19). Os dados apresentam a faixa etária, sexo, fatores de risco. Segundo o setor de Epidemiologia da Vigilância Sanitária, dos 2.105 casos confirmados até ontem, a maioria faz parte do grupo de jovens e adultos, 1.622 pessoas, com idade entre 20 e 60 anos, 74,05% do total. Na faixa etária entre 20 e 40 anos foram 923 pessoas contaminadas ou 43,84% do total.

Segundo a Dra. Lívia Martins Santos, responsável pelo Call Center, que faz acompanhamento dos pacientes com Covid-19, boa parte do aumento do número de casos no último mês, conforme o relato das pessoas atendidas, se deve à contaminação que ocorreu em momentos de descontração, em que as pessoas deixaram se proteger por estar entre amigos ou familiares em casa ou ambientes como bares e baladas (antes da suspensão pelo último decreto municipal), deixando de usar máscaras e álcool em gel, compartilhando objetos ou não mantendo o distanciamento.

“Temos registro de casos em casamentos, churrascos, reuniões familiares, especialmente durante os últimos feriados, que levaram a um aumento considerável do contágio. A maior circulação de pessoas durante o período eleitoral também contribuiu para a elevação dos índices, assim como nas demais cidades do Brasil. Por outro lado, há casos de pessoas que viajaram e voltaram contaminadas e outras que vieram de outros lugares e chegaram aqui doentes”, explicou a Drª Lívia Santos.

Entre os casos confirmados, a maioria é de mulheres, 1.102, já os homens somam 1.003 casos. Durante toda a pandemia, também foram registrados 86 casos de crianças com idade de até 10 anos. Já no público considerado mais vulnerável, com idade superior a 60 anos, foi registrado o contágio de 219 pessoas (10,4%).

MORTALIDADE

Quanto à mortalidade, até esta quinta-feira (19), foram confirmadas 22 mortes com resultado de exame RT-PCR positivo para Coronavírus realizado pelo Lacen. Das vítimas, 16 (72%) são mulheres. Todos esses pacientes que entraram em óbito apresentaram alguma doença pré-existente ou histórico de saúde com identificação de fatores de risco que dificultam a resposta imunológica do paciente diante de um quadro mais grave de Covid-19, no entanto, não é possível afirmar que é um fator determinante para o óbito. As doenças mais recorrentes são hipertensão (pressão alta), doenças cardiovasculares (problemas que afetam o coração), diabetes e obesidade.  Das 22 mortes registradas até o momento, duas foram de pessoas tabagistas. Outros pacientes apresentaram doenças respiratórias, neoplasia e problema renal.

SITUAÇÃO DOS LEITOS

A consulta da taxa de ocupação de Leitos de UTI e enfermaria para pacientes da Covid-19 é disponibilizada pelo Governo do Estado com dados enviados diretamente pelos Hospitais, sem o intermédio da Secretaria Municipal de Saúde. Poucas semanas após os pacientes internados na UTI do Hospital São Vicente serem transferidos para o Hospital Regional, houve a mudança no modo de divulgação. Todos os dias a Coordenação de Regulação do Acesso aos Serviços de Saúde publica o boletim atualizado no site oficial do Estado sobre o Coronavírus, na página da Transparência Leitos Sus, que vc tem acesso neste link: Transparencia-Leitos-SUS-Exclusivos-para-COVID.

A Secretaria de Saúde e a Administração Municipal, tendo em vista a elevação dos casos e internamentos na última semana, já solicitaram ao Governo do Estado a ampliação do atendimento com o funcionamento de mais UTI’s no Hospital Regional e a reativação da UTI Covid do Hospital São Vicente para pacientes do SUS, se necessário, considerando que o Hospital Regional é referência para pacientes de 20 municípios pertencentes à 5ª Regional de Saúde (população de cerca de 500 mil habitantes),  além de receber pessoas vindas de outras regiões. Segundo o secretário municipal de Saúde, Jonilson Pires, o pedido já está com os órgãos competentes.

“Esperamos que o governo estadual responda rapidamente às necessidades apresentadas nesse momento para garantirmos um bom atendimento a todos que precisarem! Além disso, ampliamos o nosso monitoramento e reforçamos as ações da secretaria. No entanto, mais do que nunca, é importante mantermos  as medidas preventivas que são o método mais eficaz para combatermos o vírus. Lembramos que o compromisso também é individual/familiar de evitar mais contaminações”, afirmou o secretário municipal de Saúde, Jonilson Pires.

FISCALIZAÇÃO

Desde o mês de março, a fiscalização atua na linha de frente da prevenção com orientações e o cumprimento das medidas determinadas nos decretos municipais de forma continua e eficaz. Neste momento, as abordagens foram reforçadas para evitar o descumprimento de todas as regras que estão vigentes.

“Devido ao trabalho intenso de fiscalização, o comércio se conscientizou e se adequou em sua grande maioria de forma tranquila. Claro que existem aqueles que ainda encaram o vírus como “brincadeira” não cumprindo  as medidas de prevenção e segurança, colocando sua vida e a dos outros em risco, mas estes tiveram que aprender a cumprir as medidas através de restrições administrativas, autos de infração e até mesmo interdições”, afirmou o Diretor Departamento de Arrecadação e Fiscalização, Adão Monteiro.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.