Paraná já aplicou mais de 23 mil doses de vacina em servidores das forças de segurança e de salvamento

Estão sendo imunizados profissionais da ativa das polícias Civil, Militar e Polícia Científica, Corpo de Bombeiros, guardas municipais, polícias Federal e Rodoviária Federal. Também são vacinadas integrantes das Forças Armadas que atuam no Estado. Vacinação segue critérios e cronogramas estabelecidos pela Secretaria da Saúde

Mais de 23 mil doses de vacina contra a Covid-19 já foram aplicadas em servidores das forças de segurança pública e de salvamento do Paraná. Eles recebem a vacina nas cidades sedes de Regionais de Saúde do Estado.

A Secretaria da Segurança Pública explica que a distribuição das doses segue os critérios e cronogramas estabelecidos pela Secretaria da Saúde, a partir dos lotes recebidos do Ministério da Saúde. A aplicação é feita pelas equipes municipais.

De acordo com informações da Secretaria da Saúde, o vacinômetro nacional aponta que até às 11h18 desta terça-feira (08) já tinham sido aplicadas 23.145 doses do imunizante neste grupo, sendo 16.123 primeiras doses (D1) e 7.022 segundas (D2). Segundo o vacinômetro, em integrantes das forças armadas o Paraná aplicou 675 doses, sendo 459 D1 e 216 D2.

Estão sendo vacinados profissionais da ativa das polícias Civil, Militar e Polícia Científica, Corpo de Bombeiros, guardas municipais, polícias Federal e Rodoviária Federal, além de integrantes das Forças Armadas que atuam no Estado. A administração de cada instituição comunica internamente aos profissionais a data em que estão escalados para tomar a vacina, a partir de um planejamento.

BENEFICIADA

O policial militar e   integrante da banda de música da corporação, sargento Marcelo Antônio Sanson, afirma que a imunização traz muita segurança e estabilidade para o desempenho de suas funções do dia a dia. “A população é a maior beneficiada com esta vacinação dos policiais, pois se um de nós se infecta é afastado por um tempo, o que reflete na população, pois nossas atividades são vitais para o pleno funcionamento da vida em sociedade. São em situações deficitárias que atribuímos a real importância ao agente e ao policial para a segurança pública”, diz o sargento.

O investigador de Polícia Civil, Carlos Fernando Costa de Lima, já tomou a segunda dose e disse que se sente mais seguro para desempenhar suas atividades. “Agora estou mais tranquilo para trabalhar, pois a nossa categoria, assim como outros profissionais que estão na linha de frente, também necessita da imunização, já que temos bastante contato com o público”, afirmou. “Espero que a população em geral consiga o quanto antes ser vacinada, não só categorias específicas, para que a vida siga normalmente”, ressaltou.

A agente penitenciária Mariangela da Cunha Esperança, que atua na Cadeia Pública de Araucária, enfatiza o valor da vacinação aos profissionais da segurança pública e o privilégio que eles têm em receber o imunizante. “A vacina representa um grande avanço para os profissionais que atuam no Departamento Penitenciário, pois nosso serviço é ininterrupto e a gestão do sistema prisional deve ser exercida com todo resguardo. Claro que os protocolos sanitários continuam, mas agora, trabalharemos com muito mais segurança”, disse ela.

Para Paulo Humberto Pimentel, também agente penitenciário, toda forma de imunização e proteção dos profissionais que atuam na linha de frente reflete, diretamente, no cuidado com a vida de toda sua família. “Sinto uma sensação de alívio e felicidade. As coisas vão melhorar por conta desta imunização, não só no trabalho, mas também em casa, porque não corremos o risco de levar nenhuma mazela para nossa família. Agora terei essa definitiva sensação de segurança”.

error: