Julgamento de Luis Felipe Manvailer é suspenso; defesa abandonou a sessão

Em seu perfil no Twitter, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) informou que uma nova data será marcada para o júri popular.

O julgamento do biólogo e ex-professor Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a advogada guarapuavana Tatiane Spitzner em 2018, foi suspenso depois que os advogados de defesa abandonaram a sessão. 

Em seu perfil no Twitter, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) informou que uma nova data será marcada para o júri popular. “Em razão do abandono do julgamento em curso pela defesa, o Conselho de Sentença foi dissolvido. Será marcada nova data para o julgamento, com o sorteio de novos jurados”, afirmou o TJ-PR.

Em nota à imprensa, os advogados de Manvailer dizem que a defesa foi “surpreendida com a proibição da utilização de imagens das câmeras de monitoramento do Edifício Golden Garden”.

“Tais imagens já faziam parte do processo desde 2018, inclusive a acusação já havia veiculado vazamentos seletivos de trechos pinçados de tais imagens. A exibição do contexto inteiro de tudo o que aconteceu, antes, durante e depois é de fundamental importância para o restabelecimento da verdade”, consta na nota. 

Já para Gustavo Scandelari, da Dotti e Advogados, assistente da acusação do caso, a “postura é lamentável, pois gera prejuízo aos cofres públicos, com toda a movimentação dos servidores, jurados, testemunhas e todos os envolvidos”.

De acordo com a ata da sessão, que foi juntada aos autos do processo, os advogados de Manvailer foram multados em 100 salários mínimos. 

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.