Guarapuava terá bandeiramento para avaliar pandemia e definir medidas

De acordo com o secretário de Guarapuava, Jonilson Pires, em entrevista coletiva nesta quarta-feira (2), o município utilizará uma matriz de risco para avaliar o cenário da cidade

O secretário municipal de Saúde, Jonilson Pires, anunciou nesta quarta-feira (2 junho) que Guarapuava irá adotar uma matriz de risco para avaliar o comportamento da pandemia da Covid-19 nos próximos meses.

Em linhas gerais, será feito um cálculo com base na capacidade de atendimento – levando em conta a taxa de ocupação de leitos, por exemplo – e no cenário epidemiológico. Esses dados geram uma pontuação específica que indicará em qual bandeira a cidade estará enquadrada.

A bandeira verde, de risco muito baixo, tem zero ponto; amarela, de risco baixo, de um a nove pontos; laranjeira, de risco moderado, de dez a 24 pontos; vermelha, de risco alto, de 15 a 37 pontos; e roxa, de risco muito alto, de 38 a 42 pontos.

“Quanto maior o número que a gente alcançar no cálculo da matriz, maior será o nível de restrição”, pontuando que a bandeira roxa é encarada como o “lockdown total”.

NÚMEROS
A Secretaria de Saúde apresentou um balanço dos casos confirmados da doença e da média de ocupação das Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no município em 2021.

Em janeiro, foram 1.933 casos, 32 óbitos e uma ocupação de 69%; em fevereiro, 2.014 casos, 28 óbitos e 90% de ocupação; em março foram contabilizados 2.733 diagnósticos, 84 mortes e 100% de ocupação; em abril, 2.203 casos, 85 óbitos e 100% de ocupação; e em maio, há registro de 5.428 diagnósticos da doença, 143 mortes e 100% de ocupação.

COMÉRCIO
Existe expectativa por parte do empresariado guarapuavano para a reabertura do comércio na próxima semana. Esse assunto foi tratado em uma coletiva de imprensa da Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava (Acig) na terça-feira (1°).

De acordo com Jonilson, a semana epidemiológica será finalizada no próximo domingo (6), e aí será determinada qual é a matriz de risco. Nesta quarta-feira (2), Guarapuava seria enquadrada na bandeira vermelha, segundo o secretário, ou seja, seriam mantidas as restrições em vigor na cidade.

“Se conseguirmos, a partir de domingo, atingir um percentual numérico de bandeira laranja, a tendência é que o comércio comece a ser flexibilizado”, disse. “A ideia principal do prefeito Celso Góes é reunir as entidades dos setores representativos do comércio e das empresas até sábado, e já definir, baseado na matriz de risco, quais são as medidas que vamos tomar a partir de segunda-feira”.

Sistema de bandeiras foi apresentado na tarde desta quarta-feira (2 junho), durante coletiva (Foto: Millena Ricardo/Correio)

ESTRUTURA
O secretário de Saúde pontuou que Guarapuava tem, no Sistema Único de Saúde (SUS), 40 leitos de UTI no Hospital Regional, cinco no Hospital São Vicente (HSVP) e seis no Hospital Santa Tereza (HST). Também há disponibilidade de leitos privados.

“Já faz quase 37 dias que esses leitos estão ocupados e superlotados. Inclusive, o HSVP tem capacidade para 15 [pacientes], e está atendendo 18. O Regional mantém sua estabilidade de 40 pacientes”, explicou Jonilson.

Essa estrutura hospitalar, além de Guarapuava, atende outros municípios que compõem a 5ª Regional de Saúde (RS). “Hoje, a lista de espera para a região da 5ª RS é em torno de 50 a 55 pacientes”.

error: