Estiagem se agrava e aumenta risco de rodízio no Oeste e Sudoeste do Paraná

Sanepar alerta que a baixa vazão de rios poços e minas, simultânea ao aumento do consumo, traz o risco de adoção de rodízio em várias cidades. A colaboração da população para economizar água é fundamental

O agravamento da crise hídrica em todo o Estado deixa em alerta vários sistemas de abastecimento das regiões Sudoeste e Oeste. O principal motivo é a queda na vazão de rios, poços e minas, em função da falta de chuvas. A colaboração da população para economizar água é fundamental.

Um dos casos mais críticos é o do Rio Siemens, que abastece as cidades de Capanema e de Planalto e teve queda de 75% em sua vazão. Até o fim desta semana, a Sanepar coloca em operação um poço que vai contribuir com a produção de um milhão de litros a mais por dia para atender os dois municípios.

A gerente-geral da Sanepar, Rita Camana, reforça que agora é hora de todos colaborarem. “O uso da água deve ser priorizado para a alimentação, higiene pessoal e limpeza dos ambientes. De um lado, temos a redução drástica nos mananciais de abastecimento e, do outro, aumento da demanda por água tratada. A conta não fecha. Vai faltar água e teremos de adotar medidas mais severas para poder manter o abastecimento em diversas cidades”, destaca Rita.

PANORAMA 

Outras cidades do Sudoeste correm o risco de entrar em sistema de rodízio, como Nova Prata do Iguaçu, Dois Vizinhos, Salto do Lontra, Salgado Filho e Nova Esperança do Sudoeste. Em Dois Vizinhos, o Rio Jirau Alto teve redução de 50% na vazão. E em Salto do Lontra o volume do Rio do Lontra teve queda de 70%.

Em Santa Izabel do Oeste, o abastecimento está bastante comprometido com a queda de 45% da vazão do Rio Anta Gorda, de 15% do poço e de 80% da mina. Em Nova Prata do Iguaçu, o Rio Santa Cruz praticamente secou e o fornecimento de água está sendo feito apenas com a contribuição do Rio Cotegipe, que também teve 40% de redução no volume.

Em Salgado Filho a queda da vazão do Rio Tamanduá chegou a 75%. Em Bom Jesus do Sul a Sanepar está complementando o abastecimento com caminhão-pipa que leva água de Santo Antônio do Sudoeste.

Na região Oeste, o cenário também é grave. Os poços e rios que abastecem Cascavel, incluindo o São José, apresentam redução acima de 40% nas suas vazões.

O Lago Municipal, utilizado para auxiliar no abastecimento, mostra claramente os efeitos da prolongada estiagem. O nível da água está cerca de dois metros abaixo da normalidade. A Sanepar mantém o registro aberto no lago para deixar o nível do Rio Cascavel em condições operacionais para fornecer água para o tratamento e distribuição à população.

Em Guaraniaçu, o Rio Baú está com nível 50% abaixo do normal. Em Três Barras do Paraná, o Rio Trigolândia apresenta redução da vazão em torno de 20%. Praticamente não sobra nenhum filete de água após a barragem. Por outro lado, o consumo está 10 mil litros de água por hora acima da média para o período.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.