Ano letivo da rede municipal de Guarapuava inicia na próxima quarta-feira (3)

De acordo com a Secretaria de Educação, as aulas serão no mesmo formato adotado em 2020, ou seja, de forma remota

Em Guarapuava, os profissionais da rede municipal de educação retornam às atividades no dia 3 de fevereiro, próxima quarta-feira. As aulas neste início de ano letivo serão no mesmo formato adotado em 2020, ou seja, o sistema remoto. 

Os pais retiram o material didático na escola e os filhos realizam as tarefas em casa. De acordo com o secretário da Educação e Cultura de Guarapuava, Pablo de Almeida, as atividades remotas são um modo mais seguro para a volta às aulas nesse momento, enquanto se estuda outras possibilidades.

“Minha primeira preocupação é com a saúde de todos. Temos que acompanhar o comportamento das pessoas e continuar focados nos procedimentos contra a pandemia, tendo coerência com os decretos do Estado e do Município. Nenhuma medida diferente vai ser tomada pela administração municipal sem antes ouvirmos a comunidade escolar”, afirmou.

Uma Comissão de Voltas às Aulas foi criada no ano passado para fazer o acompanhamento das discussões e apresentação de sugestões sobre as medidas que devem ser adotadas pela Rede Municipal de Ensino durante o ano letivo de 2021, levando em consideração o combate à pandemia. Fazem parte da comissão representantes de professores, do sindicato, pais e funcionários da rede pública e particular de ensino, além de membros do Conselho Municipal de Educação.

Durante a audiência na Câmara de Vereadores realizada no dia 18 de janeiro foram ouvidas sugestões dos vereadores, dos membros do Conselho de Educação e da comunidade escolar para aperfeiçoar os procedimentos.

PROTOCOLO

Um protocolo que estabelece medidas obrigatórias para o ensino presencial nas escolas públicas e particulares (distanciamento, aferição de temperatura, uso de máscaras, quantidade de alunos por turma, por exemplo) está em análise e em fase de ajustes. O documento deverá ser respeitado caso seja adotado outro formato de ensino como o híbrido, por exemplo, com parte das atividades na escola, parte em casa.

“Estamos prontos para receber os alunos nas escolas, mas qualquer alteração no formato de ensino será feita apenas por meio de uma consulta pública em que a população possa opinar, ser ouvida e decidir o que é melhor para os nossos alunos”, finalizou Pablo.

As informações são da Secretaria de Comunicação (Secom) de Guarapuava.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.