Artigo: A economia aquecida é tão importante quanto os cuidados de prevenção à Covid-19

“As obras e serviços realizados por engenheiros e empresas de engenharia também devem seguir a mesma lógica de crescimento. Nos primeiros meses da pandemia, por exemplo, a construção civil foi incluída como atividade essencial dentro da lista de serviços públicos no Brasil”

O Natal tem histórico de ser a data mais importante para o comércio no Brasil. Pesquisas realizadas pela Câmara Nacional dos Dirigentes Lojistas (CDNL) apontam que as vendas no Natal devem movimentar R$ 38 bilhões na economia este ano. Em Guarapuava, a Associação Comercial e Empresarial (Acig) tem expectativa de que grande parte da população permaneça na cidade no fim do ano, por conta da pandemia, o que deve contribuir – ainda mais – para o aquecimento da economia, no comércio e na prestação de serviços.

As obras e serviços realizados por engenheiros e empresas de engenharia também devem seguir a mesma lógica de crescimento. Nos primeiros meses da pandemia, por exemplo, a construção civil foi incluída como atividade essencial dentro da lista de serviços públicos no Brasil.

Basta observar a nossa cidade para perceber que a construção civil continuou a todo vapor, mesmo na pandemia. De acordo com dados do Crea-PR, o setor da construção civil cresceu 14% de 2019 para 2020 na regional Guarapuava, de acordo com os números de emissão de ARTs (Anotação de Responsabilidade Técnica). Até abril de 2019, haviam sido emitidas 3.364 ARTs, e abril de 2020 fechou com 3.911. Vale ressaltar que a indústria se manteve forte. Portanto, o contexto é de muito trabalho no comércio, prestação de serviços e indústria.

Esse é um cenário excelente para a economia, certo? Mas, não podemos esquecer o outro lado da moeda. De acordo com dados publicados pela prefeitura de Guarapuava no Boletim Epidemiológico, é possível verificar que apenas no mês de novembro houve um crescimento de 55% no número de casos confirmados, subindo de 1.282 registrados no dia 1º para 2.840 registrados dia 28. O número de óbitos também cresceu 55% no mesmo mês, de 14 registrados até dia 1º para 31 registrados até o dia 28. O disparo no número de casos resultou na publicação do decreto municipal nº 8305, no último dia 26 de novembro, que restringe uma série de situações que contribuem com a aglomeração de pessoas, fixando uma multa no valor de R$ 5.000,00 para àqueles que desrespeitarem.

Neste contexto, o Crea-PR (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná) reforça a importância de profissionais qualificados na elaboração de planos de prevenção ao vírus dentro das empresas. Engenheiros de Segurança do Trabalho, por exemplo, têm atribuição para elaborar PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), que preveem controles e recomendações de prevenção, contribuindo para a saúde e integridade dos trabalhadores, além do controle de riscos ambientais. Toda empresa com um ou mais funcionários – seja do comércio, prestação de serviços ou indústria – precisam estar em conformidade com as práticas de segurança.

Nessa linha, um dos documentos que vale a pena a leitura é o publicado pela Escola Nacional da Inspeção do Trabalho (ENIT), instituição vinculada ao Ministério da Economia. O texto aponta medidas detalhadas de orientação e implementação para prevenir o vírus no ambiente de trabalho. A nossa indicação de leitura é no sentido de reforçar que os cuidados devem ser mantidos, pois o risco do vírus é iminente.

Portanto, para nos permitirmos ter um Natal e Ano Novo mais seguro, precisamos nos unir neste momento e fazer cada um a sua parte, com disciplina e diligência, de modo que possamos preservar a nossa saúde e também das outras famílias enquanto exercemos nossas funções familiares e laborais.

(Foto: Assessoria)

***********Texto do artigo: Saulo Eduardo Maestri é Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho; também Inspetor da Câmara de Engenharia Civil na Regional Guarapuava do Crea-PR

************Os textos assinados são de inteira responsabilidade se seus autores e não representam necessariamente a opinião do jornal Correio do Cidadão

error: