‘Operação Grande Família’ desmantela grupo criminoso em Guarapuava

De acordo com o delegado da Polícia Civil, Alysson Henrique de Souza, foram emitidos 22 mandados de busca e apreensão – todos cumpridos – e 11 de prisão – parcialmente cumpridos até a tarde de quarta

Uma grande operação encabeçada pela Polícia Civil (PC), por meio da 14ª Subdivisão Policial (SDP), foi deflagrada nesta quarta-feira (28) em Guarapuava. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão no âmbito da “Operação Grande Família”, com um efetivo de mais de 100 agentes de segurança pública.

Em entrevista coletiva, o delegado Alysson Henrique de Souza informou que o setor de furtos e roubos da 14ª SDP percebeu, a partir de novembro de 2020, um significativo aumento nessas ocorrências em casas e estabelecimentos comerciais no município.

Com o início da investigação, foi descoberto que esses objetos eram levados para o mesmo lugar. A PC também confirmou que o homem que reside no local, que já era conhecido por outros crimes, contava com ajuda do pai, da mãe, da esposa e da irmã, além de outros indivíduos, no esquema criminoso.

“Ele dava todo o suporte de recebimento desses objetos furtados em troca de dinheiro, de alimentação, de drogas, em troca, inclusive, de deixar o indivíduo dormir nas quitinetes que ele tinha na sua residência”, diz o delegado, citando que o autor é dono de um comércio de recicláveis e possuía ajuda de alguns “carrinheiros” para monitorar a casa das vítimas. “Foi feito um levantamento bem preciso, foram produzidas as provas, foi demonstrado para o Judiciário que esses indivíduos praticaram esses furtos”.

De acordo com Alysson, foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão em vários locais da cidade, e não apenas no “QG” do grupo criminoso. Além disso, já foram instaurados 12 inquéritos policiais, mas esse número deve aumentar.

OBJETOS
A Polícia Civil de Guarapuava conseguiu recuperar objetos furtados nos últimos meses e apreender certa quantidade de drogas no local, acompanhando a informação apurada pelos agentes de que parte do pagamento para alguns envolvidos era feito com entorpecentes.

“Nós também teremos muito trabalho porque as vítimas vão ter que vir até a delegacia novamente, ou na primeira vez, para prestar declaração e fazer o reconhecimento dos objetos, e nós fazermos a restituição. Esse inquérito específico, em que foram emitidos os mandados de prisão, tem o prazo de dez dias, a partir de hoje, para ser concluído”.

Delegado informou que o setor de furtos e roubos da 14ª SDP percebeu, a partir de novembro de 2020, um significativo aumento nessas ocorrências em casas e estabelecimentos comerciais no município (Foto: Samilli Penteado/Correio)

EFETIVO
Devido ao número de mandados de busca e apreensão – todos os 22 foram cumpridos – e de prisão – foram expedidos 11, com cumprimento parcial até a tarde de quarta-feira -, foi necessário um grande efetivo policial.

“Nós contamos com a ajuda da nossa região da 14ª SDP, que vai de Prudentópolis a Pinhão, e até Manoel Ribas, e também policiais de Laranjeiras do Sul, Pato Branco, Ponta Grossa e Curitiba”, citando também o apoio do 16° Batalhão de Polícia Militar (BPM).

CRIMES
Segundo o delegado da Polícia Civil, os envolvidos vão responder pelos crimes de furto qualificado e associação criminosa. O homem que comandava o esquema e a sua esposa também serão autuados por tráfico de drogas e associação.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.