PM causa prejuízo de R$ 54,6 milhões ao tráfico na região de Guarapuava

Em entrevista concedida ao CORREIO, a oficial de comunicação social do 16° BPM, Patrícia Fernanda Silvério, explica que o batalhão é o maior em extensão territorial do Paraná, e que os números do ano passado são positivos

O 16° Batalhão de Polícia Militar (BPM), que tem Guarapuava como sede e atende 24 municípios da região, divulgou nesta semana o balanço estatístico de 2020. Houve significativa melhora nos principais índices de criminalidade e apreensões. 

Em entrevista concedida ao CORREIO, a oficial de comunicação social do 16° BPM, Patrícia Fernanda Silvério, explica que o batalhão é o maior em extensão territorial do Paraná, e que os números do ano passado são positivos. 

De acordo com o balanço, houve redução de 22,87% dos furtos na região, saindo de 2.724 casos em 2019 para 2.101 em 2020. Nos roubos, a queda foi ainda maior: 34,24%, de 587 para 386 ocorrências. 

“Devido às diversas ações, por ordem do nosso comandante, major Cubas, a gente obteve muito êxito em reduzir esses dois índices importantes”, explica a oficial, citando um aumento de 100% no número de prisões. “Foram realizadas mais abordagens, mais operações, o que trouxe esse resultado. No total, foram mais de 37 mil pessoas abordadas.”

APREENSÕES

Entre todos os índices, talvez o mais significativo seja referente às apreensões realizadas pela Polícia Militar. No caso de entorpecentes, foram cerca de 2,5 toneladas de substância ilícitas (incluindo maconha, crack, cocaína e ecstasy). Esse resultado gerou um prejuízo estimado em mais de R$ 54,6 milhões ao tráfico.

“Além da posição estratégica da nossa região, por estar na porção central do estado, que é realmente uma rota por onde passam essas substâncias entorpecentes… de nada adiantaria se não tivessem abordagens e operações. Essas drogas continuariam passando”, citando o empenho das tropas da PM. 

ARMAS

A região de Guarapuava também registrou um importante aumento nas apreensões de armas de fogo irregulares. Foram tiradas de circulação 539 armas, um aumento de 49,72% em comparação com 2019.

“Historicamente no 16° BPM, em seus quase 32 anos de existência, esse é o maior número até hoje, de apreensão de armas. Nós temos evoluído”, pontua Patrícia. 

OCORRÊNCIAS

Durante o ano passado, a Polícia Militar registrou uma elevação de 15,45% nas ocorrências de violência doméstica. Foram 1.046 situações, contra 906 de 2019. 

Na avaliação da oficial, dois fatores levaram ao aumento do índice: a confiança das mulheres e pessoas que convivem no ambiente familiar de contatar a PM e a maior convivência em casa, ocasionada pela pandemia do novo coronavírus. “Notou-se um aumento no número de desentendimentos e da violência doméstica”, explica a agente. 

Também relacionadas ao isolamento social, as situações de perturbação do sossego alheio tiveram um aumento de 63,82%. Foram 154 casos em 2020. 

AÇÃO POLICIAL

A oficial da PM destaca a importância das instruções realizadas com as tropas, uma das marcas da gestão do comandante do 16° BPM, major Cristiano Cubas. 

“Isso reflete no serviço de rua, pois o policial estando mais preparado, pode tomar melhores decisões em uma pequena fração de tempo. Preserva a sua vida e consegue preservar a vida da população de bem”, finaliza Patrícia.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.