Há 30 anos, sindicato defende direitos dos servidores públicos de Pitanga e região

Com mais de 600 associados, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Pitanga (Sismupi) iniciou suas atividades em 1991 e se tornou atuante na região central do Paraná

Em 1991, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Pitanga (Sismupi) iniciou suas atividades com o objetivo de se tornar atuante junto aos servidores da região central do Paraná. 

O presidente do Sismupi, Paulo Zanotto, ressalta que a instituição começou a existir, em 1988, como uma associação dos professores do município de Pitanga, porém, com o tempo, houve a mudança. 

“O Sismupi atua, principalmente, defendendo os direitos dos servidores públicos municipais e atuamos em cinco municípios: Pitanga, Santa Maria do Oeste, Boa Ventura de São Roque, Mato Rico e Nova Tebas”, conta.  

Paulo lembra também que somando todos os municípios, o sindicato tem cerca de 650 associados ativos e inativos. Dessa forma, o presidente do Sismupi reitera a importância da instituição para os profissionais da área.

“O sindicato é fundamental na relação de trabalho, porque nossa função é estar no dia a dia dos servidores, e vendo a necessidade de cada um. E sempre pleiteando melhores condições de trabalho e salários também”, explica. “Nós sempre estamos em contato com os servidores e, quando surge algum litígio, nós do sindicato buscamos sanar esse problema. E, geralmente, são muitas coisas relacionadas às questões de trabalho mesmo.”

ATIVIDADES

Zanotto afirma que o sindicato está baseado no artigo 8° da Constituição Federal, inciso 3°, que salienta que cabe à instituição a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas.

“Sempre estamos intermediando questões de subsídios, solicitando informações, acompanhando processos administrativos, entre outros trabalhos que nossos servidores associados precisam”, destaca. 

O presidente do Sismupi ainda recorda que um dos principais braços do sindicato são os convênios feitos com diversos meios que garantem os melhores benefícios. “Nossos convênios ajudam muito nossos associados. É a partir dessas colaborações que conseguimos fazer com que cada um dos conveniados tenha o que há de melhor para atendê-los e garantir uma atenção especial”, ressalta. 

PERSPECTIVA

Paulo foi eleito presidente do Sismupi, no dia 28 de outubro de 2020, com 225 votos e, com sua diretoria, terá um mandato de três anos. Zanotto conta que a ideia para os próximos anos é fazer a entidade crescer ainda mais. 

“Estamos trabalhando para que nossos servidores tenham um reajuste salarial melhor, estamos fazendo as solicitações e levando aos municípios, e estamos sempre à disposição para atender a todos”, diz.

O presidente do sindicato pede que os trabalhadores busquem seus direitos e conheçam seus benefícios. Para ele, o Sismupi traz mais força e representação aos servidores.

“Vivendo esse ano atípico, nós temos auxiliado bastante nas questões jurídicas que vêm do fórum. E, assim, nosso objetivo vem se concretizando cada vez mais: fazer com que o servidor tenha mais importância, vantagem e transparência”, afirma. 

ACADEMIA

Mesmo há pouco tempo à frente do sindicato, Paulo já fez mudanças estruturais na instituição. Desde a aparência da fachada até a organização interna, o presidente reestruturou um dos projetos mais ambiciosos do Sismupi: a academia da instituição.

“Conseguimos pintar o barracão que fica na nossa academia, consertar muitos aparelhos e organizar o espaço melhor. Agora, nossos associados estão se sentindo melhor com todo o lugar arrumado que é indicado para que eles tenham uma saúde melhor”, lembra. “Também temos profissionais da área da educação física que ficam à disposição dos nossos associados, e eles ajudam a cada um vendo as necessidades. Sem contar o ambiente, que é um espaço próprio para trazer harmonia aos nossos colaboradores.”

****Lucas Herdt, especial para CORREIO

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.