Pela 1ª vez, jovens participaram de final em campeonato brasileiro adulto de Fossa Olímpica

Esse feito inédito consolida o crescimento do esporte em Guarapuava. No último final de semana, entre os dias 15 e 18 de outubro, o município recebeu mais de 70 participantes para a Copa Paraná Shotgun 2020

O campeonato era dominado pelo público adulto. Mas três jovens roubaram a cena em Guarapuava. E isso numa modalidade que exige alto nível técnico.

No último final de semana, entre os dias 15 e 18 de outubro, o município recebeu a Copa Paraná Shotgun 2020. Em jogo, a modalidade de Fossa Olímpica, que é um esporte olímpico.

“O detalhe mais importante é de que as ‘crianças’ e os adultos competem em igualdade, normal. Mas a gente nunca imaginaria que as ‘crianças’ iriam para uma final”, diz o atirador guarapuavano Adl Darwich. Ele explica que, até a idade de 21 anos, atiram juntos jovens e adultos. Assim, se o mirim conseguir fazer o escore necessário, vai para a final com os mais experientes.

Pela primeira vez, os jovens foram para a final com os adultos. E, logo de cara, três adolescentes. Hussein Kluber Daruich (13 anos) e Haddy Darwich Gomes (13 anos) surpreenderam os participantes ao atingirem o índice América com 116 pratos, dos 125 lançados, um fato inédito no tiro esportivo mundial. Já o primo, Tarik Adnan Darwiche (16 anos), acertou um prato a menos (115/125), também conquistando um excelente índice (MQS, Minimum Qualification Score).

Segundo Adl, que é tio dos meninos, o prato sai a 110 km/h, sendo que alvo a ser atingido é de cerca de 10 cm. “Dentro do tiro, é considerada a modalidade mais difícil”.

Etapa promovida pela Confederação Brasileira de Tiro Esportivo (CBTE), a Copa Paraná Shotgun reuniu atiradores adultos de todos os estados (Pernambuco, Mato Grosso, Rio Grand do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro etc.). A próxima competição será em novembro, em Minas Gerais. A final será daqui dois meses, no Rio de Janeiro.

(Foto: Assessoria)

INÉDITO
Para o vice-presidente da Liga Nacional de Tiro ao Prato, o também guarapuavano Acir Mores Edling, esta é a primeira vez na história do tiro ao prato olímpico Brasileiro que se tem notícia de que quatro atletas juniores ingressaram numa final adulta de competição oficial promovida pela CBTE. “Nesta competição estavam presentes pelo menos cinco atletas adultos considerados como sendo da elite do Tiro ao Prato nacional. Nenhuma outra cidade ou estado brasileiro tem tantos atletas juniores de alto rendimento como Guarapuava”, destacou, por meio de assessoria.

Com essa marca, os atletas terminaram a competição entre os seis melhores na final da modalidade Tiro Olímpico, entre mais de 70 competidores, e entraram para a história do esporte mostrando tamanha habilidade com tão pouca idade. Para se ter uma ideia, um desempenho olímpico é alcançado a partir do acerto de 118 pratos. Esse é um alto nível técnico inesperado para quem ainda está no início de uma carreira.

A boa pontaria é mesmo um talento de família. Além dos primos, a irmã de Hussein, Hanna (16 anos), foi campeã na Fossa Olímpica Júnior – Feminino.

Quem também teve grande destaque é o guarapuavano Leonardo Gomes Lustoza (20), o Leozinho, campeão mundial de tiro esportivo, que obteve 120, dos 125 pratos na classificatória, e na final ganhou do chapecoense Jaison Santin, membro da Seleção Brasileira Permanente. Outro conterrâneo que representou bem a cidade foi o atleta José Carlos Lustoza, campeão na Sênior B.

(Foto: Assessoria)

FAMÍLIA
Com 18 anos de experiência no tiro esportivo, Adl Darwich conta que os sobrinhos começaram muito cedo a ter contato com essa modalidade, migrando do Trap para a Fossa Olímpica. Mesmo hoje, eles ainda são muito jovens para esse tipo de prática, pois exige concentração e manejo para segurar uma arma de fogo. Mas os três meninos têm boa técnica e habilidade.

Inclusive, Adl alerta para um tipo de associação errônea. “Quando a gente fala em tiro, a pessoa já associa com violência. E isso é uma modalidade esportiva, centenária”, destacando que esse esporte tem a ver com percepção, reflexo, autocontrole, concentração, educação. “Tem uma série de fatores bem importantes”.

(Foto: Assessoria)

CELEIRO
Todas essas conquistas, além de demonstrar o evidente talento dos jovens atletas com esse feito inédito, consolidam o crescimento do esporte na cidade.

É um trabalho que começou há mais de mais de quatro décadas e tornou Guarapuava um celeiro de novos campeões. Esses meninos e meninas miram alto e, em breve, devem brilhar em grandes competições internacionais.

CONQUISTAS
Confira as conquistas dos guarapuavanos na Copa Shotgun 2020

Equipe Campeã Fossa Olímpica – Masculino
Haddy Darwich Gomes
Hussein Kluber Daruish
Leonardo Gomes Lustoza

Desempenho individual
Leonardo Gomes Lustoza – Campeão da final Fossa Olímpica-Masculino e Fossa Olímpica Júnior- Masculino.
Hussein Kluber Daruish – 4º Lugar na Fossa Olímpica Masculino – Junior 6º colocado Fossa Olímpica-Masculino.
Haddy Darwich Gomes – Vice-Campeão Fossa Olímpica-Masculina- Junior e 4º lugar na final da Fossa Olímpica Masculina.
Hanna Daruich – campeã da Fossa Olímpica Júnior- Feminino.
Tarik Darwiche – 3º lugar na final da Fossa Olímpica- Masculino (bronze) e 4º na Junior, 4º colocado Fossa Olímpica-Masculino – Júnior.
José Carlos Lustoza – campeão na Sênior B.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.