O gol antológico do Rei do Futebol na Javari

Nesta sexta-feira (23), Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, completa 80 anos de vida. Conheça a história daquele que talvez seja o gol mais bonito de sua trajetória como jogador de futebol, mas que não tem registro em vídeo (TV ou cinema)

O acanhado estádio da rua Javari, no bairro da Mooca, Zona leste de São Paulo, pertencente ao Clube Atlético Juventus, entrou em definitivo para a história do futebol mundial. Foi ali no Estádio Rodolfo Crespi que o eterno Rei do Futebol, Pelé, marcou o gol que ele mesmo considera como o mais bonito de sua carreira. Com informações do site Santos FC.

No domingo, 2 de agosto de 1959, o jovem Edson Arantes do Nascimento, no esplendor da forma física, já ostentando a fama de ser um dos melhores jogadores do mundo com 18 anos de idade e campeão mundial pela Seleção Brasileira no ano anterior na Suécia se apresentou no campo do Juventus para um público de torcedores de todos os times da Capital que estavam ansiosos em ver em ação o camisa 10 do Santos.

O time santista que tinha excursionado pela primeira ao Velho Mundo no meio daquele ano de 1959 e era tido como franco favorito à conquista do Campeonato Paulista do ano em curso.

Esses torcedores foram a rua Javari dispostos a vaiar não só o Rei como também o time do Alvinegro Praiano que era a grande sensação dos últimos anos conquistando três campeonatos paulistas para desespero e revolta dos esportistas do chamado “Trio de ferro”.

Naquela tarde Pelé marcou três gols e Dorval um na vitória do Peixe pelo placar de 4 a 0 diante do time grená que curiosamente tinha em sua equipe o jovem Lima que anos depois viria a fazer parte do melhor time de futebol de todos os tempos.

PINTURA
O gol que encerrou a goleada do Alvinegro aconteceu aos 42 minutos da etapa complementar. A jogada teve início com Coutinho na intermediária juventina que passou para o ponta-direita Dorval que entregou a bola para Pelé que sem deixar a pelota tocar no chão encobriu Homero pegando-a logo à frente, seu companheiro de defesa Clóvis interveio e também foi superado com jogada idêntica à anterior.

Por último desesperado o goleiro Mão de Onça saiu da meta tentando agarrar a bola, mas Pelé o encobriu como já tinha feito com os dois zagueiros juventinos, chapelando-os sem deixar a bola tocar no gramado. E com um toque sútil de cabeça mandou a bola para o fundo das redes ante o olhar incrédulo do guardião do time adversário estatelado no chão.

Estava concluída a pintura da mais linda obra de arte do Rei Pelé dentro das quatro linhas em sua fenomenal carreira. Esse foi o gol de nº 227 de todos os seus 1282 gols marcados em sua carreira.

O Santos formou nessa partida histórica com Manga, Pavão e Mourão; Formiga, Ramiro e Zito; Dorval, Jair Rosa Pinto, Coutinho, Pelé e Pepe. O técnico era Luiz Alonso Perez, o Lula.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.