Em meio a decreto estadual e alta da pandemia, Paranaense 2021 tem início conturbado

Todo o imbróglio iniciou na sexta-feira, quando o governador Carlos Massa Ratinho Jr. anunciou um decreto limitando a circulação de pessoas em todo o Paraná. O texto liberava somente atividades essenciais. O problema é que a prática esportiva, caso do Paranaense 2021, não aparecia nessa lista

Quatro jogos suspensos e dois realizados. Este é o saldo da rodada inaugural do Campeonato Paranaense da 1ª Divisão na temporada 2021. E sem perspectiva para a 2ª rodada.

Toda a confusão começou na sexta-feira (26), quando o governo estadual emitiu um decreto suspendendo as atividades não essenciais em todo o Paraná. A partir daí, começou a dúvida se haveria a 1ª rodada do futebol no fim de semana. O CORREIO encaminhou um e-mail para a assessoria de imprensa da Federação Paranaense de Futebol (FPF), mas foi solenemente ignorado.

Até a manhã de sábado (27), parecia que todos os jogos (à exceção de FC Cascavel x Paraná Clube) poderiam ocorrer normalmente. Inclusive, jogadores e comissão técnica de Londrina EC e Maringá FC entraram em campo na tarde de sábado, aguardando a partida noturna no Estádio do Café.

Mas, no resumo da rodada, somente duas partidas ocorreram de fato: Cianorte FC 1 x 0 Athletico Paranaense; e Operário Ferroviário 1 x 1 Azuriz Pato Branco. O restante da 1ª rodada foi adiado para data indefinida.

No domingo (28), a Federação Paranaense de Futebol (FPF) emitiu uma nota oficial em seu site, informando que “as partidas entre Londrina EC e Maringá FC, Coritiba FC e Cascavel CR, e Toledo e Rio Branco, válidas pela 1ª Rodada do Campeonato Paranaense de Futebol Profissional da Primeira Divisão – Temporada 2021, que deveriam ocorrer nos dias, 27 e 28 de fevereiro de 2021, foram adiadas, por recomendação do Ministério Público do Estado do Paraná, acatadas pelas Prefeitura Municipais de Londrina, Curitiba e Toledo. A partida entre FC Cascavel e Paraná Clube já havia sido adiada”.

ENTENDA
Todo o imbróglio iniciou na sexta-feira, quando o governador Carlos Massa Ratinho Jr. anunciou um decreto limitando a circulação de pessoas em todo o Paraná. O texto liberava somente atividades essenciais. O problema é que a prática esportiva, caso do Paranaense 2021, não aparecia nessa lista.

Assim, os municípios de Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel seguiram uma recomendação do Ministério Público do Paraná (MP-PR) e impediram a realização de jogos de futebol sob a vigência do decreto estadual.

Um dos poucos jogos da 1ª rodada foi o empate entre Operário (camisa listrada) e Azuriz (Foto: André Jonsson/OFEC)

MAIS UM
Até a manhã desta segunda-feira (1º março), a FPF já havia confirmado, segundo o jornal Folha de Londrina, o adiamento do confronto entre Paraná Clube e Londrina, que estava agendado para terça-feira (2), na Vila Capanema, pela segunda rodada do Estadual.

No site da Federação, essa partida aparece como “a definir” na tabela. Inclusive, os jogos que completam a 2ª rodada estão com seus respectivos horários entre quarta (3) e quinta-feira (4). Se vão ocorrer? É difícil saber.

Nesta segunda-feira (1º março), a FPF utilizou seu site para confirmar o adiamento da 2ª rodada, que deveria ocorrer nos dias 2, 3 e 4 de 2021 Motivo: Decreto 6.983/2021, do Governo do Estado.

“Informa que nova data para a realização das partidas será oportunamente marcada pelo Departamento de Competições da Entidade”, termina o texto.

BATEL
O Batel utilizou suas redes sociais para informar aos torcedores que as suas atividades estão suspensas de 27 de fevereiro a 8 de março – “caso não haja prorrogação do lockdown”. É uma medida para atender aos decretos estadual e municipal.

Desde 18 de janeiro, o técnico batelino Rocha vinha comandando treinos e jogos-treinos com o Sub-19 do Rubro-Negro da Baixada. A equipe deve disputar a 3ª Divisão estadual no profissional e o Sub-19 nas categorias de base.

Equipe de Maringá foi desfiliada da FPF (Foto: Ilustrativa)

GRÊMIO
Na sexta-feira (26 fevereiro), a FPF publicou em seu site o Ato da Presidência nº 07/2021, que confirma a desfiliação do Grêmio Maringá S/S, equipe da Cidade Canção envolta em confusão e batalha judicial nos últimos anos.

Segundo o documento, a decisão se deve ao fato de que o GEM não disputou o Campeonato Paranaense da 3ª Divisão em 2020.

Por meio de nota oficial em seu site, a diretoria do Grêmio Maringá afirmou que a decisão pela desfiliação “carece de homologação pelo Tribunal de Justiça Desportiva/PR para ter qualquer efeito”.

Segundo o comunicado, o Galo Guerreiro foi “impedido de realizar sua inscrição na referida competição sob o argumento fantasioso de não ter disputado competições de base, já que essas competições não foram realizadas no ano de 2020, por causa da terrível pandemia causa pela COVID-19 que assola o Brasil e o mundo”.

Sendo assim, a nota diz que o departamento jurídico do clube está tomando as medidas cabíveis. “E caso alguma decisão contrária a nossa instituição vier a ser configurada iremos de forma efetiva e imediata atuar em todas as esferas necessárias para que não sejamos ainda mais prejudicados”.

A nota ainda informa que o Grêmio Maringá está em processo de auditoria, com aferição de “todos os prejuízos causados ao longo dos anos pelos atos praticados pela Federação Paranaense de Futebol e seu antigo proprietário, para que seja promovida a devida ação de reparação de danos a instituição”.

Segundo o texto disponível no site do clube, o planejamento para a temporada de 2021 “segue ritmo forte” e prevê, ainda neste mês de março, o lançamento oficial do programa Gols de Vantagem, que já conta com 12 empresas conveniadas, e “nosso Reality Na Raça, que estará marcando no nosso retorno as atividades em campo e de treinamento”.

O texto completo da nota está disponível AQUI.

***********Matéria com correção e acréscimo de informações (adiamento da 2ª rodada), às 16h30 de 1/03/2021; matéria com novo acréscimo de informações (versão do Grêmio Maringá) às 9h47 de 2/03/2021

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.