Em campeonato de ‘pontos perdidos’, liderança do Paranaense 2021 pode ser dividida

Sistema de “pontos perdidos” é um velho método de ranqueamento que era utilizado nos jornais antigos, numa época na qual o desequilíbrio das partidas disputadas por cada equipe era bastante comum. Nesse cenário, fazia mais sentido contabilizar os pontos deixados para trás do que os conquistados

A edição 2021 do Campeonato Paranaense de futebol da 1ª Divisão ocorre de maneira instável, com partidas em datas isoladas e rodadas fracionadas. Tudo por conta das restrições municipais em tempos de pandemia. Por isso, os times estão em situação desigual, com diferenças no número de partidas.

Mesmo assim, já é possível fazer aquele velho exercício de futurologia, com previsões para as pontas da tabela de classificação. Sempre com a ressalva dos “pontos perdidos”, ou seja, que ainda podem ser conquistados.

Na parte de cima, o invicto FC Cascavel (da região Oeste) lidera com 13 pontos em cinco jogos até aqui (4 vitórias e um empate).

Em seguida, vem o Cianorte FC (do Noroeste), com 10 pt, mas quatro jogos (3 vitórias e um empate). Ainda não perdeu na competição. Este é um caso típico de “pontos perdidos”, um velho método de ranqueamento que era utilizado nos jornais antigos, numa época na qual o desequilíbrio das partidas disputadas por cada equipe era bastante comum. Nesse cenário, fazia mais sentido contabilizar os pontos deixados para trás do que os conquistados.

Portanto, o Cianorte também seria “líder” em um Paranaense de número desigual nas partidas de cada equipe. Com um jogo a menos em relação à Serpente Aurinegra, o Leão do Vale também poderia ter 13 pontos.

Não é o mesmo caso do Azuriz (Sudoeste), que ocupa a 3ª posição na tabela. Com 8 pontos, a Gralha já atingiu o mesmo número de embates do FC Cascavel e tem uma partida a mais do que o Cianorte. Mas, logo em seguida, aparece o Operário Ferroviário (Campos Gerais) no 4º lugar e quatro jogos disputados. Este time de Ponta Grossa poderia ultrapassar o Azuriz e se igualar ao Cianorte, levando em consideração três pontos “perdidos”.

COMPLICADO
A situação matemática é ainda mais complicada no caso do Coritiba (em 5º lugar, com 6 pt), que tem apenas três jogos realizados até o momento. O Trio de Ferro (Coxa, Athletico-PR e Paraná Clube) não pode mandar suas partidas na Capital, sendo obrigado a jogar em cidades de fora. Desse modo, o Coxa tem seis pontos “perdidos” em relação ao líder. Mas mesmo se ganhasse todos eles, o Alviverde chegaria no máximo a 12 pt.

Já Paraná (em 7º lugar, com 3 pt) e Athletico (12º, com zero) estão num momento ainda mais delicado, com apenas dois jogos disputados cada. Ou seja, são 9 pontos na conta devida individual.

Maringá FC (uniforme branco) tem apenas dois pontos em quatro partidas (Foto: Ilustrativa/MFC)

LANTERNA
Nesse sentido, a lanterninha do Furacão é ilusória, pois é muito difícil cravar agora que é uma equipe candidata ao rebaixamento. Faltam muitos jogos em “a ver”.

Na verdade, o Rubro-Negro está em melhor perspectiva do que o Cascavel CR (outra equipe da mesma cidade do Oeste). O famoso CCR já disputou cinco partidas e somou apenas um pontinho (um empate e quatro derrotas). Como não tem “pontos perdidos” em relação ao 1º lugar, é um sério candidato ao rebaixamento.

O Maringá FC vive cenário semelhante à Serpente Tricolor. Com apenas dois pontos somados, o Dogão (10ª posição) já realizou quatro duelos e está apenas um degrau acima da zona de rebaixamento. Se o Londrina EC (9º lugar, com 3 pt) não se cuidar, pode também cair nessa inglória luta. A vantagem do Tubarão é que só entrou em campo três vezes até aqui.

Vale lembrar que é um campeonato de tiro curto. Na 1ª fase, os clubes se enfrentam em turno único, sendo que os dois que somarem o menor número de pontos, ocupando a 11ª e 12ª colocações da classificação geral, descenderão ao Campeonato Paranaense de Futebol Profissional da 2ª Divisão na temporada 2022.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.