Decisão da Segundona 2020 opõe clubes com históricos diferentes

Enquanto o Maringá FC já frequentou a 1ª Divisão e foi vice-campeão, o Azuriz FC é um clube novo em ascensão, tendo conquistado dois acessos seguidos. O Dogão da Cidade Canção e o Azulão do Sudoeste iniciam a disputa pelo caneco da Segundona neste domingo (29), às 15h30, em Pato Branco

A grande final do Campeonato Paranaense da 2ª Divisão (ou Divisão de Acesso) da temporada 2020 terá em lados opostos dois times com históricos diferentes no futebol profissional do Estado.

Fundado em 2010, o Maringá Futebol Clube (MFC) já utilizou o nome Grêmio Metropolitano (e antes era Alvorada Club) e decidiu o caneco da 1ª Divisão de 2014 em uma final de grande rivalidade contra o Londrina Esporte Clube (LEC). A animosidade se dá pelo histórico de rixas entre os municípios de Maringá e Londrina, pois no campo o tradicional Clássico do Café ocorria entre as diferentes versões do Grêmio Maringá (GEM) e o Londrina.

No entanto, o Estado parou em 2014 para a volta de uma “final caipira”, após 22 anos da última decisão envolvendo duas equipes do interior – Londrina x União Bandeirante em 1992. Há seis anos, o Tubarão levou a melhor sobre a então Zebra maringaense. Aliás, era a primeira vez que o MFC disputava a elite do futebol paranaense.

De lá para cá, o Maringá mudou de mascote (o Dogão foi eleito) e distintivo, vivendo altos e baixos entre a 1ª e 2ª Divisões. Foram cinco participações na Segundona (2011, 2012, 2013, 2017 e 2020) e outras cinco na Primeirona (2014, 2015, 2016, 2018 e 2019).

Agora, com a classificação para a grande final da Segundona deste ano, o Tricolor da Cidade Canção retornará para a principal divisão do Estado em 2021.

O Dogão da Cidade Canção passou de Grêmio Metropolitano a Maringá FC ao longo do tempo (Foto: Montagem)

Mesmo caso do Azuriz Futebol Clube, ou seja, além de garantir a vaga na final, também carimbou o acesso. Porém, as semelhanças param por aí. Nascido em fins dos anos de 2010, o Azulão do Sudoeste vem numa trajetória meteórica. Em 2019, jogando em Marmeleiro (região Sudoeste), ficou em 3º lugar na classificação geral da 3ª Divisão, obtendo a ascensão a partir de convite.

Desse modo, em seu primeiro ano na 2ª Divisão já é candidato ao título e subiu novamente de nível. Curiosamente, seu técnico em 2020 é Reginaldo Vital, o mesmo treinador que levou o PSTC (de Cornélio Procópio) à subida de divisão no ano passado, em final contra o CE União (Francisco Beltrão).

Do nome ao escudo, o Azuriz chama atenção dos torcedores. Segundo seu site, a denominação é inspirada no “azure jay” – gralha azul, que é ave símbolo do Paraná. Inclusive, o distintivo no uniforme (todo azul) é um conceito geométrico que une as letras “A” e “Z”.

Outro fato curioso é que o Azulão mudou de município, representando em 2020 a cidade de Pato Branco (também Sudoeste) na Divisão de Acesso. Caso vença o MFC na final, será seu primeiro título de relevância no cenário profissional do Paraná. Por sua vez, o Dogão poderá conquistar de maneira invicta, se não perder as duas partidas do mata-mata da final.

O distintivo no uniforme do Azuriz chama atenção pelo conceito geométrico que une as letras “A” e “Z” (Foto: Divulgação)

FINAL
A decisão da 2ª Divisão de 2020 já está com as datas e mandos de campo divulgados no site da Federação Paranaense de Futebol (FPF).

Neste domingo (29 novembro), às 15h30, o Estádio Mun. Os Pioneiros, em Pato Branco, será palco para Azuriz x Maringá.

E o segundo jogo será na próxima quarta-feira (2 dezembro), às 15h30, no Estádio Regional Willie Davids, em Maringá.

SEMIFINAIS
Maringá e Azuriz se classificaram para a decisão em situações diversas, nesta quarta-feira (25 novembro). Enquanto o Tricolor passou fácil pelo Araucária (vencendo a partida por 3 a 0), o Azulão teve de ir aos pênaltis contra o Apucarana Sports.

O time de Pato Branco precisou de dez batidas da marca da cal. Inclusive, o goleiro Dida foi obrigado a cobrar o gol que deu a classificação ao Azuriz.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.