Campo Mourão Basquete busca alcançar os playoffs do NBB

Time da cidade de Campo Mourão tem um dos maiores projetos da modalidade no Sul do país; em entrevista ao CORREIO, o técnico Emerson Souza fala sobre o trabalho desenvolvido

O time de basquete de Campo Mourão participa pela terceira vez na elite da modalidade no Brasil. Em entrevista ao CORREIO, o técnico Emerson Souza, que está há 13 anos na cidade mourãoense, fala sobre o projeto do clube que mantém um foco esportivo e social.

Na temporada 2020/2021 do Novo Basquete Brasil (NBB), o Campo Mourão conquistou cinco vitórias no primeiro turno, uma campanha que estava indo bem até o início do segundo turno, quando o time caiu e agora se encontra na antepenúltima posição.

O objetivo, segundo o técnico Emerson, ainda é disputar os playoffs, mas para isso o time deve melhorar a sua campanha e alcançar a 12ª posição, que hoje é ocupada pelo Cerrado Basquete, com diferença de dois pontos.

“Apesar de toda a limitação de orçamento, de todas as dificuldades que uma equipe passa para retornar para a Primeira Divisão, ainda mais de uma cidade fora do eixo Rio-São Paulo, o nosso objetivo desde o começo é ir para os playoffs”, pontua Emerson.

Outra conquista da instituição que contempla o projeto Basquete Campo Mourão, visando os atletas do time de base, é a adesão do clube ao Comitê Brasileiro de Clubes (CBC). A partir dessa inclusão, o time de base de Campo Mourão pode participar de torneios nacionais nas categorias de subdivisão.

“Nós sabemos que o nosso projeto está em construção. Nós retornamos este ano, que foi um grande passo, conseguimos patrocinadores que tinham saído e agora retornaram. E a entrada na CBC [Comitê Brasileiro de Clubes]”, avalia Emerson.

O objetivo, segundo o técnico Emerson, ainda é disputar os playoffs (Foto: Ilustrativa/NBB)

HISTÓRIA
O Campo Mourão Basquete surgiu no cenário nacional em 2014, na primeira edição da Liga Ouro, que foi um torneio de acesso para o NBB, hoje extinto, dando lugar para a CBB (Campeonato Brasileiro de Clubes).

Na terceira participação na divisão de acesso, em 2016, o time foi o vice-campeão, mas conseguiu a vaga na primeira divisão após a desistência do São José.

Já na temporada 2016/2017, o Campo Mourão se classificou aos playoffs após terminar a primeira fase na décima colocação, perdendo para o Vitória nas oitavas de final. Na temporada seguinte, o desempenho não foi o mesmo, e o time terminou na penúltima colocação da fase de classificação – rebaixado à Liga Ouro.

Na Liga Ouro 2019, o clube mourãoense foi até a semifinal e acabou eliminado pelo São Paulo FC. Com a extinção da Liga Ouro, o clube teve a oportunidade de uma ida “direta” ao NBB, isto porque o time tem vínculo associativo com a Liga Nacional de Basquete.

No entanto, a direção do clube preferiu não disputar a divisão de elite. Com pouco recurso financeiro, o Campo Mourão optou por investir em sua base disputando as competições Sub-23, e buscar uma reestruturação.

A captação de patrocínios, a evolução da sua estrutura física e a reforma do Ginásio de Esportes JK, que tem previsão de ser entregue na metade deste ano, foram os objetivos. “Quando você não tem muito recurso e também não tem uma estrutura pronta, é preciso muita paciência e trabalho”, acrescenta Emerson.

O Campo Mourão Basquete surgiu no cenário nacional em 2014 (Foto: Ilustrativa/NBB)

PROJETO
“Nós não somos um time, somos um projeto”. É com esse lema que o clube tem buscado aprimorar seus sete departamentos que compõem o projeto “Basquete Cidadão”.

O primeiro departamento é composto por 11 núcleos, que atendem cerca de 600 crianças gratuitamente na cidade mourãoense. O técnico explica que os atletas profissionais contratados para o clube são escolhidos a dedo, visando que os esportistas sirvam de exemplo não apenas pelo desempenho dentro de quadra, mas também fora dela.

Há uma comissão técnica que avalia as crianças. Algumas são convidadas para participar do departamento 2, que é a categoria de base. A partir da adesão do clube à CBC, é possível que os jovens atletas deste departamento possam participar de competições nacionais de base. No entanto, com a pandemia, estas competições estão paralisadas.

Desenvolvido no ano passado, no terceiro departamento é dado a oportunidade para ex-atletas, amadores e veteranos, com o intuito de massificar o basquete na região. Já o quarto departamento é utilizado para organizar competições na modalidade 3×3 do basquete.

O quinto departamento foi criado há três anos, atendendo as cidades da região e sendo responsável pela criação da Copa Centro-Oeste de Basquete. Contemplando equipes do Sub-12, Sub-14, Sub-17 e o adulto feminino.

O basquete adulto feminino ganha espaço no sexto departamento. O intuito com o projeto é elevar o time ao nível de competições nacionais. O time adulto masculino é administrado pelo sétimo departamento, disputando a liga de elite no cenário nacional de basquete.

Para o futuro, o técnico explica que “nosso grande objetivo é fazer com que a nossa gestão melhore a cada ano para que além de quantificar o projeto, possamos agora qualificar cada departamento”, completa.

***************Reportagem: Carlitos Marinho, com supervisão de Douglas Kuspiosz

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.