Após derrota em Rolândia, Batel tem mudanças no comando técnico

Nas contas do diretor de futebol Rocha, a equipe guarapuavana já está matematicamente rebaixada. Mas ele garante que o time jogará as duas rodadas finais da 1ª fase, contra São Joseense e Araucária no Estádio Waldomiro Gelinski, na próxima semana

A tradicional Associação Atlética Batel vive situação das mais difíceis no Campeonato Paranaense da 2ª Divisão (ou Divisão de Acesso), em 2020.

A goleada de seis sofrida diante do Nacional Atlético Clube (NAC), nesta terça-feira (10 novembro), praticamente decretou o rebaixamento do clube guarapuavano à 3ª Divisão de 2021.

“Nas minhas contas, matematicamente o Batel está na Terceira Divisão do ano que vem. Infelizmente, o resultado de ontem [terça-feira] foi muito ruim”, avalia o diretor de futebol do Batel, Rocha (ex-jogador do próprio clube), em entrevista ao CORREIO.

Com apenas dois pontos somados em sete jogos, hoje o Rubro-Negro da Baixada está em último lugar na tabela de classificação da 1ª fase. Tem mais duas partidas para fechar sua participação: dia 16 de novembro, contra o Independente São Joseense, pela 8ª rodada; e 19 de novembro, Araucária EC, pela derradeira rodada. As duas partidas serão no Estádio Waldomiro Gelinski, em Guarapuava.

Em caso de duas vitórias seguidas, o Rubro-Negro poderia chegar no máximo a 8 pontos. Mas dependeria de uma combinação de resultados para escapar da degola. Segundo o regulamento, ao final da 1ª fase da Divisão de Acesso os dois piores times serão rebaixados. No momento, Nacional (em 9º lugar) e Batel (em 10º) estão nessa situação.

Esse cenário provocou a queda do técnico Rafael Andrade, que trabalhou apenas em duas partidas, ambas com derrota (Maringá FC e Nacional). Quem comandará a equipe batelina em sua despedida do campeonato será o próprio Rocha. “Será minha primeira experiência como técnico. Mas estou bem tranquilo sobre passar trabalhos e táticas para eles [jogadores]”.

PLANTEL
O elenco de jogadores do Batel se reapresenta na tarde desta quarta-feira (11), no Waldomiro Gelinski.

Rocha conta que o trabalho agora será conversar com os atletas e ver com quais deles será possível contar para os dois jogos finais. “Sinceramente, enquanto tivermos chance vamos lutar até o fim”, diz o novo técnico.

E ele garante que o Rubro-Negro vai cumprir seus compromissos finais na Segundona 2020. O diretor/técnico rechaça a possibilidade de WO.

Time do Prudentópolis FC (uniforme branco) está no G4 e tem grandes chances de se classificar para a próxima fase (Foto: Assessoria)

RETA FINAL
A Divisão de Acesso chega à reta final na semana que vem, quando serão disputadas as duas últimas rodadas nos dias 16 (segunda-feira) e 19 (quinta) de novembro.

O campeonato ficou paralisado quase um mês à espera da normalização das partidas atrasadas do NAC. Mas, com esse duelo cumprido diante do Batel, o Guerreiro do Norte igualou seu número de jogos com o restante dos participantes.

Com o Maringá FC (17 pontos) já classificado às semifinais, restam três vagas no G4. Hoje, o Azuriz FC (Pato Branco) está em 2º lugar, com 12 pontos; Prudentópolis FC, em 3º, com a mesma pontuação; e o Andraus Brasil fecha o grupo, também com 12 pt.

Mas o Apucarana Sports vem na cola, com 10 pt, na 5ª posição; seguido do Araucária EC, 9 pt. Ou seja, são pelo menos cinco equipes brigando por três “passaportes” à fase decisiva da competição, que será ao estilo mata-mata.

E, na sequência, a grande decisão do caneco. Vale lembrar que os dois finalistas têm assegurado o acesso à elite do futebol paranaense em 2021. Eles vão substituir PSTC (de Cornélio Procópio) e CE União (Francisco Beltrão), que caíram em 2020.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.