Guarapuava gera 445 vagas com carteira assinada em outubro

Os dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) foram divulgados na manhã desta quinta-feira (26) e apontam uma tendência de recuperação da economia em todo o país com os novos postos gerados no mês passado. E, no ano, a “terra do lobo bravo” também está com desempenho no azul

Em sintonia com o país, o município de Guarapuava fechou mais um mês com saldo positivo na geração de empregos com carteira assinada.

Segundo o Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), cujos dados foram divulgados na manhã desta quinta-feira (26 novembro), o maior município do terceiro planalto paranaense gerou 445 vagas de trabalho em outubro.

No levantamento do CORREIO, é o quinto mês consecutivo no azul em Guarapuava, desde a retomada da economia em junho. De janeiro a maio, o mercado de trabalho guarapuavano teve mais baixos do que altos, em meio à pandemia de covid-19. Mas em junho, com a criação de 37 postos, iniciou a reversão dessa situação ruim.

Assim, em julho, foram mais 181 vagas; agosto (+269), setembro (+197). E agora, outubro (+445). Aliás, é o melhor mês do ano, com número de contratações (1.727) acima das demissões (1.282).

Todos os setores medidos pelo Caged na “terra do lobo bravo” tiveram desempenho positivo em outubro. O melhor deles foi o Comércio, com 201 vagas; seguido da Indústria (+116), Serviços (+79), Construção (+47) e Agropecuária (+2).

E, ao longo de 2020, Guarapuava também está com desempenho satisfatório. Segundo consulta do CORREIO ao Caged, entre janeiro e outubro foram gerados 92 postos de trabalho, revertendo o saldo negativo registrado antes.

BRASIL
Pelo quarto mês consecutivo, o Novo Caged registrou saldo positivo na geração de empregos. Foram abertas 394.989 vagas com carteira assinada no mês, resultado de 1.548.628 admissões e de 1.153.639 desligamentos, melhor resultado não apenas para 2020 como também o melhor da história. O desempenho reforça a retomada da economia brasileira após os efeitos econômicos gerados pela pandemia de covid-19.

O estoque, que é a quantidade total de vínculos ativos, em outubro, chegou a 38.638.484, variação de 1,03% em relação ao estoque do mês anterior. No acumulado do ano, apesar do saldo negativo em 171.139, decorrentes de 12.231.462 admissões e de 12.402.601 desligamentos, o país perdeu menos empregos em 2020 do que nas crises de 2015 e 2016.

Dos cinco grandes grupamentos de atividades econômicas, quatro tiveram saldo positivo no emprego em outubro. O principal foi o setor de Serviços, que abriu 156.766 novas vagas. No Comércio foram criados 115.647 postos; na Indústria, 86.426; na Construção, 36.296.

**********Com informações do Ministério da Economia

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.