Trilogia Rambo está disponível na Netflix

Os primeiros filmes com Sylvester Stallone no papel principal entraram na programação do serviço: “Rambo: Programado para Matar”, “Rambo 2: A missão” e “Rambo 3”

Você sai dos anos de 1980, mas eles não saem de você. Definitivamente. Pelo menos, no universo quarentão do streaming (quando se pode assistir a séries e filmes quando e onde quiser).

Mais uma franquia oitentista acaba de estrear na grade da Netflix, o serviço pago de video on demand mais popular do mundo. Estamos falando de Rambo, o veterano de guerra do Vietnã que fez muito sucesso na década de 80 do século 20 com Sylvester Stallone no papel do protagonista. Ao lado de Arnold Schwarzenegger e Jean-Claude Van Damme, Sly era um dos reis de filmes de ação daquele período.

Na série cinematográfica, Stallone dá vida a John Rambo, um cara que serviu os Estados Unidos na guerra, mas não encontra seu espaço no mundo civil. A Netflix conta com os três primeiros filmes da saga. São os melhores e mais populares.

No entanto, é preciso dizer que a verdadeira essência do personagem ficou em “Rambo: Programado para Matar” (1982). Dirigido por Ted Kotcheff, apresenta a triste história de Rambo (Sylvester Stallone), um veterano da Guerra do Vietnã que é preso injustamente pelo xerife Teasle (Brian Dennehy), mas consegue fugir e promove uma guerra.

Apesar de toda a violência em cena, o protagonista não está envolvido na morte de ninguém no filme todo. Pode acreditar. O ex-combatente apenas fere gravemente seus inimigos e provoca uma única baixa, mas de maneira indireta.

O longa-metragem de 1982 se enquadra no subgênero “cicatrizes de guerra” ao narrar as consequências da Guerra do Vietnã em um ex-soldado: inadequação social, vida atormentada, sentimento bélico, entre outros.

É um filme baseado no livro “First Blood” (1972), de David Morrell. É possível encontrar uma edição em português de 1988, sob o título “Rambo”, em sebos virtuais.

Sequência de 1982 tem um Stallone bombadão e “sangue no olho” (Foto: Reprodução)

SEQUÊNCIA
A sequência de 1985 também está disponível na Netflix. Inclusive, “Rambo 2: A missão” estava no Top 10 do serviço.

Sai o drama e fica apenas a ação. Com um Stallone bombadão e “sangue no olho”, o protagonista é uma verdadeira máquina de guerra. Ele mata a torto e a direito, em uma missão especial no Vietnã dos dias atuais.

Dirigido por George P. Cosmatos, o longa tem roteiro escrito por Sylvester Stallone e James Cameron com base nos personagens criados por David Morrell. Talvez, por isso, tenha sido um filme focado apenas na ação, com algum conflito político como pano de fundo. Afinal, John J. Rambo e os valorosos soldados norte-americanos são “produto descartável” aos olhos da sociedade e principalmente do governo.

MAIS FRACO
Dessa trilogia inicial, o mais fraco de todos é “Rambo 3” (1988), que tem direção de Peter MacDonald. Nosso herói monta uma missão de um homem para resgatar seu amigo Coronel Trautman das garras das formidáveis forças invasoras soviéticas no Afeganistão.

Uma das cenas mais famosas é a luta de Rambo em uma arena na Tailândia, que virou paródia no filme “Top Gang 2” (1993).

Bem mais tarde, Stallone resolveu ressuscitar o famoso personagem para duas sequências terríveis: “John Rambo” (2008), também chamado de “Rambo 4” no Brasil; e “Rambo: Até o fim” (2019), verdadeiro vexame para o desfecho da franquia.

Olha a bomba chegando! Isto é “Rambo 3”. Virou até sátira de outra franquia (Foto: Divulgação)

ROCKY
O astro Sylvester Stallone também ficou famoso com outro personagem: Rocky, ídolo nascido nos anos de 1970, mas cujo auge foi na virada para os 80. A Netflix tem à disposição do espectador seis filmes dessa saga: “Rocky: Um lutador” (1976), “Rocky 2: A revanche” (1979), “Rocky 3: O desafio supremo” (1982), “Rocky 4” (1985), “Rocky 5” (1990) e “Rocky Balboa” (2006).

Sem contar também as produções derivadas da série em que o boxeador é coadjuvante: “Creed: Nascido para lutar” (2015) e “Creed 2” (2018).

*****************Texto: Cris Nascimento, especial para CORREIO

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.