Em graphic novel de estreia, Bruno Zago (do Pipoca & Nanquim) aborda futuro pós-apocalíptico

“Ogiva” é a primeira produção totalmente feita pela editora Pipoca & Nanquim. Trata-se de um gibi sobre um futuro pós-apocalíptico em que o mundo foi dominado por monstros e radiação, no melhor estilo “Fallout” e “The Last of Us”

Um dos nomes à frente do Pipoca & Nanquim (canal no YouTube e editora), que é um sucesso no universo nerd, Bruno Zago (roteiro) lançou em 2020, junto com Guilherme Petreca (desenho), a graphic novel “Ogiva” (R$ 79,90).

Na verdade, é a primeira produção original totalmente feita pela editora Pipoca & Nanquim. Trata-se de obra sobre um futuro pós-apocalíptico em que o mundo foi dominado por monstros e radiação, no melhor estilo “Fallout” e “The Last of Us”.

Segundo informações de divulgação, nessa graphic novel monstros que se alimentam de humanos chegaram misteriosamente e dominaram tudo. Uma década depois da invasão, as poucas pessoas que restaram lutam para sobreviver em uma terra devastada. Entre elas está Pilar, uma mulher que assumiu a responsabilidade de cuidar de Sara, uma garota órfã, e acompanhá-la em uma longa e perigosa jornada até seu único familiar vivo.

“Ogiva” marca a estreia de Bruno Zago como roteirista de quadrinhos, ao lado de Guilherme Petreca na arte, com seu traço único. Juntos, eles conceberam um rico cenário pós‑apocalíptico para ambientar uma grandiosa história de ação.

“O resultado é uma aventura que pode ser definida como uma mistura inusitada de ‘Mad Max’ com ‘Procurando Nemo’, com influências de ‘Fallout’, ‘The Last of Us’ e ‘A Estrada’”, diz o material.

A edição tem formato grande, 220 páginas em preto e branco, impressas em papel couché brilho de alta gramatura, com capa dura com verniz localizado e lombada redonda.

A edição tem formato grande, 220 páginas em preto e branco (Foto: Reprodução)

AUTORES
Bruno Zago se formou em Publicidade e Propaganda e sempre esteve envolvido de alguma forma com o mundo dos quadrinhos. Primeiro, como leitor. Depois, como colecionador e fanzineiro. Então, em 2009, criou o canal Pipoca & Nanquim para falar de quadrinhos e cinema na internet, algo que faz até hoje ao lado de seus amigos Alexandre Callari e Daniel Lopes.

Entre 2011 e 2014, lançou a trilogia de livros “Quadrinhos no Cinema” (editora Generale), como coautor, também junto de Alexandre e Daniel. Em janeiro de 2013, tornou-se editor de mangás da Panini, trabalhando em obras como Dragon Ball, Pokémon, Vagabond, One-Punch Man, Lobo Solitário, entre outras. Alguns anos depois, em 2017, deixou esse emprego para ajudar a transformar o Pipoca & Nanquim em uma editora de quadrinhos e livros.

Hoje, ele divide seu tempo entre ser empresário, editor, apresentador de vídeos no YouTube e… roteirista de quadrinhos.

E Guilherme Petreca começou a trabalhar com ilustração no exato dia em que fez 17 anos. Antes disso, durante a adolescência, participou de diversas bandas hardcore de garagem, mas resolveu focar sua energia criativa nos desenhos.

Seu primeiro quadrinho, “Galho Seco”, foi publicado de forma independente em 2013; a partir daí, nunca mais parou. Em 2015, lançou “Carnaval de Meus Demônios”, pela Balão Editorial, que foi finalista no prêmio Jabuti na categoria Ilustração. Já no ano de 2017, seu terceiro quadrinho, “Ye”, publicado pela editora Veneta no ano anterior, ganhou o Troféu HQMix de Melhor Desenhista Nacional, e ele ainda lançou sua quarta obra, “Superpunk”, de forma independente. Em 2020, “Ye” também ganhou medalha de prata no 13º Japan International Manga Award.

Atualmente, ele divide seu tempo entre produzir histórias em quadrinhos e trabalhar como concept artist e diretor de arte em projetos de animação.

SERVIÇO
A HQ “Ogiva” pode ser adquirida pelo site da Pipoca & Nanquim. Inclusive, é o endereço para mais informações.

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.