Banda Kingargoolas participará de versão online do Primeiro Campeonato Mineiro de Surfe – edição 20 anos

Mais de 40 bandas, entre brasileiras e gringas, estão confirmadas em edição comemorativa desse tradicional festival de surf music, o mais longevo do mundo. No entanto, por conta da pandemia, o evento terá apenas transmissão pelo YouTube, ao longo de três sábados de novembro

A partir deste sábado (7 novembro), o triângulo da bandeira mineira se transformará numa onda, acompanhando do lema “Surf Music ainda que à tardinha” – um trocadilho com o famoso “Libertas quæ sera tamen”.

Adaptado aos tempos de pandemia da covid-19, o Primeiro Campeonato Mineiro de Surfe abre a primeira bateria de bandas no online.

A despeito de tudo e todos, o pessoal da organização desse festival resistiu e evitou o cancelamento da edição deste ano. Aliás, um evento comemorativo de 20 anos de história, mas sem as apresentações no bar A Obra, em Belo Horizonte (MG). Desta vez, transmissão pelo YouTube.

“Mas não poderia passar em branco essa comemoração de 20 anos”, diz um dos organizadores, Leopoldo Furtado de Castro, o Mocotó, em entrevista ao CORREIO. Ele conta que resolveram fazer uma edição online.

São mais de 40 bandas confirmadas, entre brasileiras e gringas. Uma delas é o Kingargoolas, representante de Guarapuava no surf rock instrumental. A data de sua apresentação ainda não foi divulgada, mas o Campeonato será em três sábados de novembro, com as respectivas baterias: dias 7, 14 e 21, a partir das 19h.

“A gente vai participar com uma música nova, inédita ainda, composta na pandemia e gravada em esquema caseiro”, diz um dos guitarristas do Kingargoolas, Mackey Pacheco. Inclusive, será a primeira apresentação desses guarapuavanos desde que estourou a pandemia em 2020.

Segundo Leopoldo Mocotó, cada banda terá o espaço de 12 minutos para ocupar. Além de material gravado exclusivamente para o festival, performances históricas de outros festivais, videoclipes entre outras produções dos participantes. Em resumo, a transmissão a cada sábado terá duração média de quatro horas, com veiculação no formato de live do material pronto.

“Nossa apresentação será um vídeo da música nova e depoimentos sobre a banda e o festival, já que o mesmo foi bem importante no início da nossa trajetória”, conta Mackey, recordando que o Kingargoolas tocou no Campeonato em 2008. “Esse festival é bem interessante, tem muita história. O próprio nome dele tem suas curiosidades”.

Cartaz de divulgação faz referência à bandeira de Minas Gerais (Foto: Reprodução)

TRAJETÓRIA
Mais longevo festival de surf music do mundo e o principal da América do Sul nesse estilo, o Primeiro Campeonato Mineiro de Surfe teve ameaçada a sua edição comemorativa de 20 anos. Tudo por conta da pandemia e de problemas para utilizar o bar A Obra.

Mas Leopoldo Mocotó conta que não poderia deixar de ser feito em 2020. Aliás, ele está envolvido com o festival desde a primeira edição.

A princípio, havia a dúvida se seria possível fazer a edição online com 40 bandas. Porém, Mocotó recorda que, em pouco tempo, havia fechado esse número. Inclusive, a organização foi obrigada a parar de convidar os participantes, pois iria exceder o tamanho do festival.

Foram chamadas bandas que já passaram pelo festival, caso do Kingargoolas; convidados que iriam tocar neste ano; e conjuntos do Brasil inteiro e de fora, pois não haveria problema com viagem, passagem, agenda etc. “A resposta das bandas foi muito boa”, diz Mocotó.

A transmissão começa neste sábado; mas, na sexta (6), será lançada uma coletânea virtual com algumas bandas importantes na história do Campeonato (http://reverbbrasil.bandcamp.com). E, posteriormente, o material sonoro chegará às demais plataformas de streaming musical.

SERVIÇO
Para mais informações sobre o festival, acesse seu evento nas redes sociais e página oficial (www.facebook.com/primeirocampeonatomineirodesurfe). A transmissão será pelo YouTube, a partir de 19h, neste sábado (7).

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.