Eleições 2020: abra os olhos!

“Nesse domingo verifique com cuidado o candidato em que imagina votar. Nunca tivemos ao nosso alcance tantas informações e, na era em que o dado é o novo petróleo, informação também é poder”

Nesse domingo teremos eleições municipais em todo o país. O cenário, no entanto, é atípico: em meio a uma pandemia, o Brasil bateu o recorde de candidaturas aos cargos de prefeito e vereador. Ao todo, são mais de 517 mil pedidos registrados de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com essa quantidade de oferta, é preciso preocupar-se com a qualidade da sua escolha.

A pandemia tem impactado em uma série de segmentos estratégicos, como economia e política. A falta de trato na condução desse desafio no Brasil é evidenciada em alguns dos números atuais que o país enfrenta, como 716 mil empresas que já fecharam as portas (IBGE), 8,9 milhões de pessoas que perderam o emprego no 2º trimestre de 2020 (Pnad) e 164.332 mortes pelo Covid-19 (G1).

Há alguns meses escrevi a respeito do auxílio emergencial providenciado pelo Governo Federal. O auxílio é um benefício destinado a trabalhadores informais, MEI’s, autônomos e desempregados para ajudar a enfrentar essa crise gerada pelo Covid-19. Já no início da pandemia foram noticiados casos sobre mais de 600 mil pessoas que haviam recebido indevidamente o auxílio, podendo causar prejuízos aos cofres públicos na ordem de R$ 1 bilhão.

Pensar no cometimento de tais inconformidades por si só já é algo alarmante considerando a quantidade de pessoas e até mesmo a possibilidade de conhecermos alguém em meio a essa amostragem. Mas o que fazer quando essas irregularidades são feitas por aqueles que pleiteiam nosso voto e desejam nos representar publicamente?

A palavra “servir” tem origem no latim servitium e, de acordo com o Dicionário Online de Português, significa “cumprir determinados deveres e funções”. O servidor público, portanto, deve também cumprir seus deveres e funções para com a sociedade civil.

Se, por um lado, temos um recorde de candidaturas às eleições municipais, por outro a preocupação gerada é a respeito do histórico desses candidatos e do motivo pelo aumento desse interesse. É notório que estamos passando por um momento de renovação política, mas a atenção à capacidade técnica e à integridade de cada candidato não podem ser esquecidas.

Com o objetivo de conceder à população melhores parâmetros para suas escolhas, o Tribunal de Contas da União (TCU) fez um cruzamento entre os candidatos com patrimônio declarado acima de R$ 300 mil e aqueles que receberam, de forma irregular, o auxílio emergencial. Chegamos ao alarmante número de 10.691 pessoas, sendo 903 delas no estado do Paraná (a planilha está disponível em www.portal.tcu.gov.br).

As nossas vidas enquanto cidadãos são muito mais afetadas pelas escolhas que fazemos para as funções políticas municipais, como vereadores e prefeitos. É no município que a vida acontece: é nele que formamos família, criamos e educamos filhos, geramos renda por meio do trabalho e é dever do Estado empreender melhores esforços para melhorar a vida do cidadão. Políticos devem ser escolhidos para representarem os interesses da população, e não os seus individuais.

Nesse domingo verifique com cuidado o candidato em que imagina votar. Nunca tivemos ao nosso alcance tantas informações e, na era em que o dado é o novo petróleo, informação também é poder.

Dúvidas e sugestões? Escreva para [email protected]

***********Letícia Sugai é sócia das empresas Veritaz Gestão de Riscos e Compliance e Gordion Consultoria. É presidente do Instituto Paranaense de Compliance (Ipacom) e criadora do Movimento “Integridade sempre vale a pena”

***********Os textos assinados são de responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do jornal Correio do Cidadão

error: O conteúdo é de exclusividade do Correio do Cidadão.